julho 26, 2022

[Segurança] Vem aí a BSides Vitória

Neste sábado, 30/07, acontecerá a BSides Vitória, em sua 2a edição marcando a volta do evento após a pandemia.


A BSides Vitória é uma conferência gratuita sobre Segurança da Informação, Cultura Hacker e Tecnologia que acontece en Vitória, capital do Espírito Santo. o evento faz parte da família Security BSides, que está presente em centenas de eventos regionais em mais de 25 países.

No site deles foi publicado um pequeno timeline, bem legal, que resume a trajetória dos eventos da BSides aqui no Brasil, que começaram em 2012 com a realização da primeira edição oficial da BSides São Paulo (que, na verdade, começou no ano anterior, 2011, com o nome provisório de "Conferência O Outro Lado"):


Neste ano também teremos a primeira edição da BSidesJP (João Pessoa, PB), que irá acontecer em 24 de Setembro.

Anote na sua agenda:


julho 25, 2022

[Segurança] Principais notícias de segurança em Junho de 2022

 Esse é mais um pequeno apanhado com algumas das principais notícias sobre segurança e fraudes online que aconteceram no mês passado. A proposta é focar em notícias relacionadas, principalmente, ameaças, a fraudes e golpes direcionadas a usuários finais no Brasil, ou alguns casos mais relevantes no mundo. Algumas dessas notícias, aquelas que eu acho mais importantes ou interessantes, estão acompanhadas por um pequeno resumo.

Boa leitura!

01/06/2022 - Depois de pagar resgate de ransomware, empresas ainda têm que gastar 7 vezes mais em reparos (Olhar Digital)

01/06/2022 - 3,6 milhões de servidores MySQL estão expostos publicamente na internet (Canal Tech)

01/06/2022 - Cibercrime anuncia na dark web 139 GB de dados do Brasil (CISO Advisor)

Um cibercriminoso está anunciando para venda, na dark web, um lote contendo 14 tabelas de dados, sendo sete com os nomes de operadoras de telecomunicações, cinco com nomes de órgãos do governo federal, uma de um órgão do governo de São Paulo, uma com o nome de um banco estatal e finalmente uma atribuída a uma empresa que revende veículos usados. O volume total dos arquivos alcança 139 GB.

01/06/2022 - Jornal da Record mostra como criminosos conseguem burlar o sistema de reconhecimento facial (vídeo) (R7)

Criminosos utilizam ferramentas conhecidas como "burladores de selfie" para criar contas em bancos digitais e solicitar cartões de crédito, que serão utilizados para fraude.

02/06/2022 - Golpe do falso emprego: média de detecção é de 4 mil vezes por dia no Brasil (Canal Tech)

02/06/2022 - Gartner projeta as 5 principais tendências de privacidade digital até 2024 (Canal Tech)

Para o Gartner, no futuro da privacidade digital as empresas terão que focar em cinco tendências específicas: sistemas para localização de dados; técnicas de computação aprimorada de privacidade (PEC – do inglês Privacy-Enhancing Computation); recursos para Governança de Inteligência Artificial; modelos de experiência de usuários (UX) centrado em privacidade; e políticas de controle para o trabalho híbrido.

02/06/2022 - Vazamento do Conti revela que a gang de ransomware tinha interesse em ataques baseados em Firmware (em inglês) (The Hacker News)

02/06/2022 - Foxconn confirma que ataque de ransomware impactou as operações na fábrica no México (em inglês) (TechCrunch)

02/06/2022 - 82% dos CIOs acedem que cadeia de suprimentos é vulnerável (CISO Advisor)

02/06/2022 - 30% do pessoal de cyber quer mudar de profissão (CISO Advisor)

03/06/2022 - Rede de perfis falsos promete streaming de graça para aplicar golpes (Canal Tech)

03/06/2022 - Gangue de ransomware posta notas de resgate no site das empresas atacadas (Canal Tech)

Foi identificado que a gang responsável pelo ransomware Industrial Spy passou a desfigurar os sites das vítimas para exibir notas de resgate, como forma de aumentar a pressão pelo pagamento de resgate. Uma das primeiras vítimas dessa tática foi a compania francesa SATT Sud-Est, que teve uma nota de resgate publicada em seu site (já retirada do ar) anunciando o comprometimento de mais de 200 GB de dados.

05/06/2022 - Hackers obtêm US$ 1,7 milhão em golpe de criptomoeda com botnet (CISO Advisor)

Cibercriminosos que operam a botnet Clipminer, malware que usa os sistemas comprometidos para minerar criptomoedas, obtiveram ao menos US$ 1,7 milhão em ganhos ilícitos, de acordo com uma estimativa de pesquisadores da equipe de inteligência em ameaças da Symantec.

05/06/2022 - Bug bounty começa a ganhar espaço no Brasil (CISO Advisor)

06/06/2022 - Golpe da Caixa Misteriosa engana consumidores prometendo iPhone por R$ 180 (Canal Tech)

06/06/2022 - 10 Trojans bancários mais prolíficos direcionados a centenas de aplicativos financeiros com mais de um bilhão de usuários (em inglês) (The Hacker News)

Um estudo da empresa Zimperium identificou que os 10 trojans bancários móveis mais ativos atingiram 639 aplicativos financeiros que estão disponíveis na Google Play Store e foram baixados cumulativamente mais de 1,01 bilhão de vezes. Os malwares incluem o TeaBot (direcionado a 410 dos 639 apps investigados), seguido pelo Octo (324 apps), BianLian, Coper, EventBot, FluBot (Cabassous), Medusa, SharkBot, e Xenomorph.

06/06/2022 - Cidade italiana de Palermo desliga todos os sistemas para evitar ataque cibernético (em inglês) (Bleeping Computer)

07/06/2022 - Demanda por seguro contra riscos cibernéticos dispara no Brasil (Minuto da Segurança)

08/06/2022 - Perdas por fraudes impactaram 95% das empresas no Brasil nos últimos 3 anos (Canal Tech)

08/06/2022 - Nova variante do Emotet rouba informações de cartão de crédito das vítimas no Google Chrome (em inglês) (The Hacker News)

08/06/2022 - 80% dos que pagaram resgate foram atacados de novo (CISO Advisor)

Segundo os resultados anunciados pela Cybereason sobre seu estudo anual de ransomware, "Ransomware: The True Cost to Business Study 2022", 80% das organizações que pagaram resgate foram atingidas por ransomware uma segunda vez, das quais 68% disseram que o segundo ataque ocorreu em menos de um mês e 67% afirmaram que os agentes de ameaças exigiram um valor de resgate ainda maior. O relatório também revelou que, das organizações que optaram por pagar uma demanda de resgate para recuperar o acesso a seus sistemas, 54% relataram que alguns ou todos os dados foram corrompidos durante o processo de recuperação. Essas descobertas ressaltam por que não vale a pena pagar os invasores de ransomware e que as organizações devem se concentrar em estratégias de detecção e prevenção.

08/06/2022 - Demanda por profissionais de cyber subiu 40% nos EUA (CISO Advisor)

09/06/2022 - Malware busca credenciais de bancos brasileiros no Linux (CISO Advisor)

Batizado com o nome de “Simbiota” por pesquisadores da BlackBerry e da Intezer, um novo malware para máquinas Linux tem uma natureza classificada como parasitária e precisa infectar processos em execução para causar danos às máquinas. O malware tem numerosos indícios de ter sido projetado para atacar clientes de bancos brasileiros e possui diversas estratégias de evasão ao ser executado e ao gerar tráfego de rede.

09/06/2022 - Tempo de duração de invasor nas redes aumenta 36% em 2021 (CISO Advisor)

Os operadores de ameaças passaram, em média, 15 dias dentro das redes das vítimas no ano passado, um aumento de mais de um terço em relação ao ano anterior, de acordo com a Sophos. De acordo com o estudo, o aumento no tempo de permanência se deve principalmente à exploração das vulnerabilidades ProxyLogon e ProxyShell no ano passado e ao surgimento de agentes de acesso inicial (IABs) como parte integrante do submundo do crime cibernético. O tempo de permanência foi maior para organizações menores: 51 dias em pequenas e médias empresas (PMEs), com até 250 funcionários, versus 20 dias em organizações com 3 mil a 5 mil funcionários.

10/06/2022 - Mercado de ransomware deve gerar US$ 100 milhões em prejuízos até 2027 (Canal Tech)

13/06/2022 - Febraban cria laboratório que simula ataque cibernético para conter fraudes (Exame)

13/06/2022 - Hospital no Arizona informa que dados pessoais de 700.000 pessoas vazaram durante ataque de ransomware em Abril (em inglês) (The Record)

14/06/2022 - SP: Jovem tem celular levado e criminosos fazem empréstimo de R$ 19 mil (IstoÉ)

14/06/2022 - Grande cadeia de supermercados na região sul da África atacada por Ransomware (em inglês) (The Record)

14/06/2022 - Interrupção de internet canadense atribuída a castor (em inglês) (The Record)

14/06/2022 - Brasil é México são campeões em trojans bancários, diz pesquisa (CISO Advisor)

14/06/2022 - Ataque de 26 milhões de rps contra a Cloudflare (CISO Advisor)

14/06/2022 - ANPD torna-se autarquia de natureza especial (ANPD)



22/06/2022 - Justiça usa LGPD e manda INSS pagar R$ 2,5 mil por vazamento de dados (Convergência Digital)

A Décima Segunda Turma Recursal da Seção Judiciária de São Paulo/SP confirmou decisão que determinou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) o pagamento de R$ 2,5 mil em danos morais a segurada por compartilhamento ilegal de dados, contrariando o previsto na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). De acordo com o processo, a autora relatou que depois de obter pensão por morte, em junho de 2021, passou a receber diariamente ligações, mensagens via SMS e WhatsApp, de instituições financeiras oferecendo crédito.

22/06/2022 - Tentativas de golpes do Pix têm alta de mais de 350% em abril e maio (Olhar Digital)

O número de tentativas de golpes do Pix contra brasileiros chegou a cerca de 424 mil em abril e maio de 2022, o que corresponde a um aumento de mais de 350% com relação aos meses de fevereiro e março, segundo levantamento da empresa de cibersegurança PSafe. Esses números representam mais de quatro ataques fraudulentos por minuto no período.

22/06/2022 - Venda de dados de brasileiros na dark web soma R$ 88 milhões (CISO Advisor)

Levantamento feito pela empresa de cibersegurança NordVPN constatou que mais de 720 mil informações e dados de brasileiros já foram vendidos na dark web, totalizando R$ 88 milhões. Os preços dos dados variam de R$ 33,56 (valor para cartão de crédito) a R$ 51,27 e são considerados os mais baratos do mundo. 

22/06/2022 - Sete mil tentativas diárias de golpe com o PIX no Brasil (Convergência Digital)

Segundo dados da PSafe, entre abril e maio houve um aumento de mais de 350% no número de tentativas de golpe do PIX, em comparação com os meses de fevereiro e março no Brasil. As soluções da empresa bloquearam mais de 424 mil tentativas de golpe no período, o que corresponde a quase sete mil tentativas de golpe com este tema por dia, mais de 280 por hora e quatro por minuto somente entre os meses de abril e maio.

22/06/2022 - Receita alerta sobre novo golpe relacionado à regularização do CPF (Exame)

22/06/2022 - 24 bilhões de nomes de usuário e senhas nas mãos de cibercriminosos (Minuto da Segurança)

Segundo relatório da Digital Shadows, mais de 24 bilhões de combinações de nome de usuário e senha estão em circulação nos mercados cibercriminosos, muitos na dark web – um número que representa um aumento de 65% em relação ao relatório anterior, em 2020.

22/06/2022 - Operação da PF em 4 estados mira grupo criminoso especializado em fraudes eletrônicas (G1)

23/06/2022 - 'Golpe do Pix' cresce mais de 350% nos dois últimos meses (UOL)

O Golpe do Pix continua sendo uma preferência dos criminosos brasileiros, com um aumento de mais de 350% em incidentes registrados entre os meses de abril e maio de 2022. No período, foram mais de 424 mil tentativas de golpe bloqueadas pelas soluções de segurança da PSafe, com quase sete mil tentativas por dia. A maior parte dos golpes chegam por meio de phishing, com mensagens, e-mails e ligações que tentam ludibriar as vítimas a realizarem transferências.

23/06/2022 - Ransomware Conti invade mais de 40 empresas em um mês (CISO Advisor)

23/06/2022 - Fast Shop diz ter sido alvo tentativa de 'acesso não autorizado' e que site e app ficaram temporariamente fora do ar (G1)

A Fast Shop confirmou que sofreu uma tentativa de acesso não autorizado aos sistemas da empresa e que, por este motivo, o site e o app da rede ficaram temporariamente fora do ar. O comunicado surgiu horas após a publicação de duas postagens na conta da Fast Shop no Twitter, em inglês, informando que a empresa teve seus sistemas de TI e nuvem invadidos e sofrido extorsão. Um tweet uma hora depois anunciava o fechamento temporário de todas as lojas e adiamento dos pedidos online. Entretanto, a empresa negou que lojas foram fechadas e que houve vazamento e afirmou que os sistemas já foram restabelecidos e todas as lojas estão abertas e operando normalmente.

24/06/2022 - Homem perde pen drive com dados de moradores de cidade inteira após sair para beber (CNN)

26/06/2022 - ‘Deepfake’: prefeita de Berlim faz videochamada com homem que se passou por prefeito de Kiev (O Globo)

Um homem se passou por Vitali Klitschko, prefeito de Kiev, durante uma conferência virtual com Franziska Giffey, prefeita de Berlim. Foram necessários 15 minutos até que os participantes identificassem a farsa e cancelassem a reunião virtual.

27/06/2022 - Criminosos estão extorquindo usuários de apps de relacionamento LGBTQ+ (Canal Tech)

27/06/2022 - LockBit 3.0 apresenta o primeiro programa de recompensa de bugs para ransomware (em inglês) (Bleeping Computer)

Ao lançar o LockBit 3.0, o grupo que opera esse ransomware anunciou a abertura de um programa de bug bounty, um programa de recompensas que paga prêmios variando entre mil e um milhão de dólares. O prêmio de um milhão vai para quem escrever o nome e o sobrenome do lider do ransomware no messenger TOX.

28/06/2022 - FBI: cibercriminosos usam deepfakes para se candidatar a vagas com trabalho remoto (Olhar Digital)

O FBI alerta para um aumento nas reclamações relacionadas ao uso de deepfakes e dados pessoais (PII) roubados para se candidatar a vagas de trabalho remoto para as áreas de TI, programação, dados e software. A maior parte dos cargos, segundo a entidade, permitiria aos atacantes a possibilidade de acessar informações corporativas confidenciais, após serem contratados. As deepfakes incluem um vídeo, uma imagem ou gravação alterada e manipulada de forma convincente para deturpar alguém como fazendo ou dizendo algo que não foi realmente feito ou dito.

29/06/2022 - Cibercriminosos usam chatbot no Messenger para roubar contas no Facebook (Olhar Digital)

29/06/2022 - PF cria unidade para investigar crimes cibernéticos (CISO Advisor)

29/06/2022 - PMEs do Brasil lideram como vítimas de ransomware (CISO Advisor)

O Brasil tem as pequenas e médias empresas mais despreparadas para conter um ataque de ransomware, revela uma pesquisa da Arcserve. Num total de 19% das empresas entrevistadas, os executivos admitiram que a empresa foi vítima de um ataque de ransomware; outros 38% afirmara que houve ataque mas ele foi contido. Os dois números somam 57%, um total que só perde para a Índia, com 62%. No Brasil o total de executivos que disseram que não foram atacados foi 44%. Com relação aos pagamentos, o valor exigido com mais frequência pelos criminosos às PMEs brasileiras esteve entre US$ 10 mil e US$ 100 mil, mas em 14% dos casos o pedido ficou entre US$ 1 milhão e US$ 10 milhões.

30/06/2022 - iFood e PM devem se reunir em iniciativa contra o golpe do delivery (Canal Tech)

30/06/2022 - Quadrilha fraudava documentos de funcionários de escola para fazer empréstimos (Correio Braziliense)

30/06/2022 - Gangue de hackers invadiu a fabricante de chips AMD do Vale do Silício por causa das terríveis senhas dos trabalhadores (em inglês) (SFGate)

O grupo de ransomware-como-serviço RansomHouse afirma ter sequestrado 450 GB de dados da AMD, uma das maiores fabricantes de semicondutores do mundo. Embora a companhia diga que está investigando as alegações, o grupo afirma que o ataque foi possível graças ao uso de senhas fracas como "password" e "123456" por parte de funcionários da empresa.

30/06/2022 - Ucrânia foi alvo de quase 800 ciberataques desde o início da guerra (em inglês) (Bleeping Computer)

30/06/2022 - Jovens de 11 a 18 anos vendem malware-as-a-service (CISO Advisor)

30/06/2022 - Soluções tradicionais têm taxa de falha de 60% contra ransomware (CISO Advisor)

Veja também o vídeo dos incidentes do mês de Junho de 2022 produzido pela CECyber. Neste mês, eles destacam o ciber ataque a Fast Shop, aqui no Brasil.


julho 22, 2022

Posts que nunca foram escritos

De tempos em tempos eu dou uma limpada na minha lista de referências e artigos que uso como inspiração para o blog. São materiais interessantes, mas que por algum motivo acabaram não sendo abordados aqui - mas não merecem ser esquecidos.

Artigo muito interessante da Forbes sobre o mercado de seguro contra ciber ataques: Will insurance improve cyber-security practice for businesses?

Para refletir: Cybersecurity researchers face real-life threats.

Artigo interessante com um título bem provocativo: Nobody ever gets credit for fixing problems that never happened, Nelson P. Repenning and John D. Stersman.

Artigos interessantes relacionados a conscientização em segurança:

Uma idéia interessante: esse é um framework para ajudar a entender que tecnologias de segurança a empresa tem, de acordo com as suas necessidades:

Sobrevoo: conexões entre o Normativo SARB 025/2021 da Febraban e a LGPD

Sobre ransomwares:

Um pouco sobre história do nosso mercado:



julho 19, 2022

[Segurança] E assim foi o Roadsec 2022

No sábado 09 de Julho aconteceu o Roadsec 2022, a primeira versão presencial do evento após o período da pandemia do COVID-19. O Roadsec não decepcionou, e voltou com a força toda, em um novo espaço, aonde reuniu mais de 4 mil pessoas!


 

Passada a ressaca, quero fazer jus à minha fama de "sommelier de eventos de segurança" e compartilhar minhas opiniões sobre esse que é o maior evento brasileiro de segurança (em termos de tamanho) e, inegavelmente, um dos mais importantes.

Antes de mais nada, temos que destacar o que representa participar do Roadsec após 2 anos de pandemia. Todos estávamos com saudades dos eventos presenciais, principalmente de reencontrar as pessoas. Por isso, o Roadsec foi importante para promover esse reencontro - sem desmerecer o conteúdo oferecido aos participantes e toda a experiência do evento em si.

O Roadsec tem um papel muito importante na comunidade de segurança, principalmente pela sua grandiosidade e pelo Hackaflag, seu campeonato que popularizou os CTFs. Sim, ele é um verdadeiro "festival", que atrai muitas pessoas interessadas por iniciar na área. O Roadsec também tem o mérito de trazer vários temas complementares a área de segurança, incluindo biohacking, hardware hacking, etc. 

Pontos fortes dessa edição:
  • Novo espaço, maior do que o Audio Club e com circulação mais fácil (pois era um galpãozão, sem divisões e labirintos entre os espaços, como acontecia na Audio);
  • Possibilidade de sair e voltar ao evento, que foi usado por muitas pessoas para almoçar em lugar externo;
  • Grade bem diversificada de palestras, com 10 palcos simultâneos e vários conteúdos legais;
  • Espaço para as comunidades (eu achei um pouco confuso, com metade de mesa para cada uma, mas não pude ficar muito tempo lá para ter certeza se funcionou bem ou mal);
  • Fiquei muito contente em ver a participação da WOMCY no espaço de comunidades, uma oportunidade muito legal de promover a diversidade na nossa área!
  • Vale a pena destacar o público diverso do evento, com uma grande participação de mulheres;
  • O Roadsec é um evento que atrai muitas pessoas no início de carreira, o que fortalece o crescimento do mercado.
Como nem tudo é perfeito e sempre pode melhorar, o evento também teve alguns pontos de atenção:
  • Filas e mais filas. Fila gigante para entrar, mais filas para pegar brindes nos stands e, principalmente, filas gigantescas para comer. Algumas pessoas chamavam o evento de "Roadfilas". Para comprar algo para comer ou beber, era necessário primeiro pegar uma fila para comprar o Ticket, e depois pegar outra fila para pegar sua comida ou bebida. Justiça seja feita: não é fácil alimentar 4 mil pessoas de uma vez, e em todos os eventos anteriores tivemos problemas de filas, principalmente na entrada e nas refeições;
  • Esquema de compra de comidas muito mal organizado. Ao comprar o ticket da comida ou bebida, vocÊ era obrigado a informar o que gostaria, pois isso era registrado no próprio ticket. Se você mudasse de idéia ou o lanche tivesse acabado (por exemplo), era obrigado a trocar o ticket em um dos caixas. Outra desvantagem é que o processo de compra era muito lento (o que aumentava o tempo na fila), pois você era obrigado a escolher cada item que fosse comer ou beber, e o funcionário tinha que achar esse item no sistema e imprimir o ticket equivalente. O jeito mais fácil seria apenas comprar "créditos", por exemplo, 100 reais, e gastaria como quisesse;
  • Nem vou comentar sobre o alto valor cobrado pelas comidas e bebidas, outro problema recorrente... rs...
  • Tinha uma coisa muito legal que fez falta na programação deste ano: não tivemos as tradicionais oficinas do Roadsec (como lockpicking, hardware hacking, drone, VR, pixel art, etc). São atividades simples, mas que atraem o público iniciante na área e ilustram a diversidade de conhecimentos que podem ser englobados no universo do hacking;
  • A área de exposição dos maiores patrocinadores (Diamond e Platinun) e da arena do Hackaflag ficou meio pequena e apertada, com os stands muito grudados uns nos outros. Isso atrapalhou a circulação e até mesmo a visualização dos stands;
  • O palco principal tinha poucos assentos. Embora fossem suficiente para as palestras no decorrer do dia, isso não era suficiente para os momentos de maior público: a abertura, os keynotes e o encerramento do evento. O espaço ficou pequeno nessas horas.
O Roadsec também se destacou pela presença de grandes empresas patrocinando e reforça a presença dos bancos tentando se aproximar da comunidade de segurança: o Bradesco, o C6 Bank e o BTG estavam presentes, com stands bem agitados. Desta vez, ao contrário dos anos anteriores, o Itaú não patrocinou o evento - justo ele, que foi o pioneiro, o primeiro banco a patrocinar eventos de segurança.

Como disse anteriormente, estamos vivenciando um momento de volta dos eventos presenciais. Dos principais eventos brasileiros de segurança, começamos o ano com a volta do You Sh0t the Sheriff, em Maio, que entregou um evento no mesmo padrão de todos os anos, proporcionando uma grande carga de saudosismo entre os participantes e permitindo o nosso reencontro após 2 anos de hiato. Agora tivemos o Roadsec, para nos lembrar dos grandes eventos. Vamos esperar a H2HC, a BSidesSP e todos os demais eventos esperados para esse segundo semestre (incluindo Nullbyte, Jampasec e BHACK).

Aproveite e assista também esse bate-papo entre o Pedro Bezerra e o Felipe Prado, compartilhando suas opiniões sobre o evento:


Veja também:

julho 15, 2022

[Segurança] 10 técnicas de extorsões dos Ransomwares

Muito se fala sobre o "double extortion", como uma técnica que os operadores de ransomware utilizam para pressionar suas vítimas para pagar o resgate: além de sequestrar (criptografar) os dados da vítima, os criminosos roubam esses dados e ameaçam vazar, expondo ao público as informações proprietárias e confidenciais da empresa.

Entretanto, já foram identificadas diversas técnicas de extorsão, e recentemente chegamos na décima estratégia diferente, que eu publico aqui no blog.

Segundo a empresa Cyble, em um blog publicado em 06/07/2022, o ransomware ALPHV, também conhecido como “Blackcat”, recentemente adicionou uma nova técnica de extorsão onde eles estão fornecendo dados vazados da vítima em um formato pesquisável.


Os ciber criminosos esperam que, ao expor de forma mais facilitada os dados roubados da vítima, essa tática aumente a probabilidade de monetizar os ataques. Se as empresas souberem que suas informações internas, muitas vezes relacionadas a clientes e funcionários, serão divulgadas dessa maneira, tão facilmente acessível, elas podem estar mais inclinadas a pagar o resgate para evitar que isso aconteça.

Cá entre nós, há casos de empresas que optaram em pagar o resgate para evitar a exposição de seus dados, mesmo tendo conseguido recuperar seus sistemas.

Veja a minha "lista de 10 extorsões" abaixo:

  1. O clássico: sequestrar (criptografar) os computadores e/ou dados locais;
  2. Vazar os dados roubados e ameaçar expor publicamente ("double extorsion");
  3. Realizar ataques de DDoS contra a empresa;
  4. Call centers que ligam para a empresa atacada pelo ransomware;
  5. Avisar os clientes que a empresa teve os dados roubados!
  6. Avisar os acionistas, para que estes possam vender suas ações antes de divulgar o ataque;
  7. Vazar documentos que mostrem práticas ilegais da empresa;
  8. Vazar documentos confidenciais para os competidores;
  9. Uso de imagens violentas para assustar as vítimas;
  10. Acesso pesquisável aos dados roubados.
Para saber mais:

julho 13, 2022

[Segurança] Como avaliar o nível de maturidade da sua resposta a incidentes

A capacidade de responder a um incidente de segurança demanda muita preparação, tanto em ferramentas, em processos e no treinamento e capacitação das pessoas envolvidas.

Para avaliar como está sua capacidade de resposta a incidentes, o pessoal da fundação Open CSIRT desenvolveu o "Security Incident Management Maturity Model" (SIM3), uma metodologia para avaliar sua maturidade baseada em 45 indicadores construídos a partir de 4 quadrantes principais: Organização, Humano, Ferramentas (Tools) e Processos. São 8 indicadores sobre a Organização (que avalia como ;é feito o planejamento necessário dos recursos), 7 sobre os aspectos Humanos, 10 sobre as Ferramentas e 17 indicadores sobre os Processos estabelecidos para o CSIRT.

Esses indicadores são medidos de acordo com 5 níveis (de 0 a 4):
  • 0: não disponível / indefinido / desconhecido
  • 1: implícito (conhecido / considerado mas não escrito, “de ouvido”)
  • 2: explícito, interno (escrito, mas não formalizado de forma alguma)
  • 3: explícito, formalizado com uma autoridade em nome do gestor do CSIRT (formalizado ou publicado)
  • 4: explícito, auditado com autoridade nos níveis de governança acima do gestor do CSIRT (sujeito ao processo de controle / auditoria / execução)
O mais legal é que existe uma ferramenta online para fazer a avaliação de maturidade: SIM3 Self Assessment Tool, que em seu site ela descreve com detalhes o que são cada um desses indicadores:


Ao final do self assessement, ferramenta indica sua aderência a alguns baselines (FIRST, ENISA e do TF-CSIRT) e também cria uma lista de tarefas necessárias para aumentar a maturidade em cada indicador.

PS: Eu aprendi essa dica ao assistir a live do NIC.br (Intra Rede) sobre Como se prevenir e atuar durante um incidente de segurança.


Para saber mais:

julho 05, 2022

[Segurança] O Roadsec 2022 está chegando!

Neste sábado, 09 de Julho, o Roadsec volta com sua mega-edição presencial em São Paulo, após 2 anos de pandemia.


O Roadsec acontece no espaço Arca, uma nova casa para receber. muito conteúdo técnico e espaços para networking, além de algumas atrações musicais para agitar os participantes. Neste 2022 o evento promete trazer nada menos do que 108 sessões (entre atividades, oficinas e palestras) e 70 palestrantes em 14 horas de programação, com um total de 9 palcos simultâneos: um palco principal, um palco para as comunidades e sete palcos por eixo de conteúdo (ataque, defesa, hardware, Back End, Front End, Data Science e Cloud).

Entre uma palestra e outra, os participantes poderão interagir na toy machine do C6 Bank ou hackear uma choppeira no estande montado pelo BTG. Para aqueles que desejam um desafio maior, o Roadsec 2022 terá um carro modelo Defender que poderá ser hackeado pelos desafiantes. A programação inclui, ainda, a final ao vivo do Hackaflag, o campeonato de CTF (Capture the Flag), em que 12 jogadores têm 6 horas para resolver o máximo de falhas de segurança em sistemas.

O keynote do evento será o Samy Kamkar, pesquisadores de cibersegurança e criador do MySpace Worm, vírus que entrou para a história da computação como o de disseminação mais ágil que já existiu. Ele também é ativista e criador do SkyJack, capaz que sequestrar e controlar outros drones nas proximidades. Eu vou participar de um painel sobre Bug Bounty, com a intenção de juntar a visão das empresas e dos participantes destes programas de recompensas.


A programação completa já está disponível no site: https://www.roadsec.com.br/programacao.

Uma curiosidade: a inspiração para a identidade visual deste ano inclui a realidade cyberpunk, com uma pitada de brasilidade, uma estética asiática e personagens que possuem representatividade PCD.A criação coube ao artista João Antunes Jr. e ao Paulo Sica. No logo do evento, está escrito "Cultura Hacker" em Mandarim, e nos cordões de crachá estará escrito, também em em Mandarim, "O maior festival hacker da América Latina"..

Desde 2014, o Roadsec leva conteúdo e networking para todo o país. Já foram realizadas 100 edições presenciais e online que reuniram mais de 40 mil pessoas ao longo desses 8 anos. Desta vez a proposta do evento é um pouco diferente dos anos anteriores, pré-pandemia, quando o Roadsec em São Paulo era o encerramento do roadshow das edições regionais do Roadsec, que aconteciam em vários estados do país. Essas edições não aconteceram neste ano, e deram lugar para eventos pequenos, híbridos (online e presencial), no estilo "meetup".

O Roadsec 2022 contará com o patrocínio do Bradesco, Hackaflag, C6 Bank, Bitso, VTEX, BTG e SANS Institute, além da Conviso, ISH e NTT, entre outras.

Como sempre acontece nos principais eventos da comunidade de segurança, haverá uma lojinha da Novatec vendendo livros com desconto :)

Para aquecer os motores, assista ao teaser do Roadsec 2022 no YouTube!


Anote na agenda:
Algumas observações importantes:
  • Será obrigatória a apresentação de um documento original com foto e comprovante de vacinação - COVID/19, com o esquema vacinal de pelo menos 2 doses.
  • A entrada de menores de 18 anos somente será permitida se acompanhados dos pais ou responsáveis legais.
  • Há estacionamento no local (R$ 50 a diária).
Creative Commons License
Disclaimer: The views expressed on this blog are my own and do not necessarily reflect the views of my employee.