junho 30, 2021

[Segurança] Golpes explodem durante a pandemia

Uma reportagem especial do Fantástico, que foi ao ar no dia 30/05, destacou os principais golpes financeiros que acontecem no Brasil atualmente e que tiveram um grande crescimento durante esse período da pandemia do novo Coronavírus.


Segundo um levantamento realizado pelo Fantástico, só no ano passado foram feitos mais de 862 mil boletins de ocorrência sobre este assunto - um aumento de 66% em relação a 2019. Ou seja, a cada hora, são aplicados cerca de 100 golpes. Esse número é próximo das estimativas da Febraban, segundo a qual nos primeiros 6 meses do período de quarentena, as instituições financeiras registraram aumento de 80% nas tentativas de ataques de phishing, 65% no golpe do falso motoboy, enquanto os golpes do falso funcionário e falsas centrais telefônica cresceram 70% e houve alta de 60% em tentativas de golpes financeiros contra idosos. Outra estimativa, da empresa Único, indica que em 2020, o número de fraudes relacionadas ao uso de informações pessoais alheias (personificação ou falsificação ideológica) cresceu cerca de 300% em relação ao ano anterior.

A reportagem é longa para os padrões televisivos, com mais de 15 minutos de duração. O Fantástico destacou os seguintes golpes e como funcionam diversos os esquemas desses golpes:
  • Falso atendente do banco, com objetivo de obter as senhas do banco e com o "falso motoboy", para retirar o cartão da vítima
  • Anúncio falso, para roubar dados pessoais, roubar a identidade e fazer golpes em nome da vítima
  • Fraude no Auxílio Emergencial
  • Cartão clonado
A reportagem também mostra as tristes estatísticas da impunidade no Brasil: os mais de um milhão de boletins de ocorrência de estelionato registrados em 5 anos (1.124.331 B.Os de 2016 a 2020, para ser exato) resultaram em apenas 169.206 processos (15%) e pífias 7.769 condenações (0,7%). Ou seja, se você comete uma fraude, tem somente 0,7% de chance de ser condenado. Isso sem falar que existe a chance de nem cumprir pena...

Para saber mais:

junho 28, 2021

[Segurança] Golpes no WhatsApp

Eu já escrevi uma dezena de posts aqui no blog sobre os golpes com o WhatsApp. Eu abordo esse tema frequentemente pois ele é um dos principais (se não for "o principal") golpe online que acontece aqui no Brasil, e que faz a festa para centenas ou milhares de cibercriminosos.

Mesmo em pleno 2021, muita gente ainda cai nos golpes do WhatsApp. E, as vezes, vejo casos aonde as vítimas transferem uma pequena fortuna para os fraudadores, como nu caso recente em que tos criminosos conseguiram roubar cerca de R$ 260 mil de três idosos em Goiás :(

Quem diria, o golpe do WhatsApp já ganhou um novo nome: "bença tia".

As fraudes financeiras começam com a tentativa de invadir ou personificar a conta no WhatsApp em nome de uma pessoa, e conseguir dinheiro de sua rede de contados, como se fosse um empréstimo. Mas as modalidades de golpes e ameaças também incluem as fake news e mensagens maliciosas. Veja um sumário abaixo:
  • Empréstimos fraudulentos: Esse golpe é uma verdadeira pandemia digital aqui no Brasil! Os criminosos se identificam como sendo a vítima e conversam com parentes e amigos dela via WhatsApp, aproveitando a sensação de confiança para pedir dinheiro emprestado. A vítima, crente que está conversando com uma pessoa conhecida, transfere o dinheiro para uma conta de terceiro, informada pelo fraudador. Em alguns casos os criminosos conseguem roubar milhares de reais de uma única vítima :(

  • Clonagem da conta de WhatsApp: Criminosos tentam conseguir acesso a conta do WhatsApp das vítimas transferindo a conta para seus celulares. Para isso, usam diversas formas de engenharia social para tentar obter o código de ativação do WhatsApp, que é enviado por SMS para o número telefônico original quando você tenta passar sua conta para outro número. No golpe mais comum, o criminoso se passa por uma empresa conhecida, como sites de compra e venda, restaurantes ou por um organizador de eventos. O golpista entra em contato avisando sobre um suposto erro, suspeita de fraude ou, simplesmente, oferecendo uma promoção para a vítima, que deve ser confirmada através de um código enviado por SMS - justamente o código de verificação do WhatsApp, que é enviado para validar a troca de conta. Se a vítima informar o código, o criminoso imediatamente transfere o WhatsApp da vitima para o seu aparelho;
  • Contas falsas: Um golpe absurdamente simples, mas que ficou popular e consegue enganar muita gente é o uso de contas falsas para enganar os contatos da vítima. O criminoso simplesmente cria uma nova conta no WhatsApp, em seu próprio número telefônico, mas utiliza os dados públicos da vítima: o nome, foto de perfil e status. Em seguida, entra em contato com os amigos da vítima dizendo que "trocou de número" e conta uma história para pedir dinheiro emprestado;
  • Phishing e links maliciosos: o WhatsApp também é usado para compartilhar mensagens com falsas promoções, que levam os usuários a links maliciosos. Esse tipo de golpe é mais comum com falsas promoções prometendo prêmios em datas comemorativas, mas em 2020 também foi muito usado para compartilhar falsas ofertas de remédios, vacinas e produtos para combater o Coronavírus, incluindo mensagens sobre o auxílio amergencial e a distribuição de álcool em gel. 
  • Fake News: Não podemos nos esquecer das fake news, que são frequentemente compartilhadas em grupos no WhatsApp. Principalmente na pandemia, essas mensagens se propagaram para compartilhar falsas promessas de cura ou críticas a formas comprovadas de proteção. O WhatsApp foi obrigado a criar medidas para frear o compartilhamento das notícias falsas, como limitar o encaminhamento de mensagens muito compartilhadas para um contato por vez. 
Infelizmente há muito pouco que nós, profissionais de segurança e empresas, possamos fazer para evitar o golpe do WhatsApp, uma vez que ele explora diretamente a boa vontade da vítima através de engenharia social. Ou seja, não houve exploração de vulnerabilidade nem invasão da conta, a própria vítima transfere o dinheiro de boa vontade. Depois que descobre que foi enganada, a vítima deve procurar seu banco e a polícia, para fazer um boletim de ocorrência. Mas há pouca chance de conseguir recuperar o dinheiro, pois  normalmente os criminosos usam contas correntes abertas em nome de laranjas (ou abertas com documentos falsos) e transferem o dinheiro para outras contas imediatamente, assim que recebem os valores transferidos pela vítima.

A primeira medida de proteção é ativar uma senha para acesso e ativação da conta do WhstaApp, conhecida como "verificação em duas etapas". Veja esse vídeo do próprio WhatsApp explicando como ativar a senha:


Além de ativar o segundo fator de autenticação do WhatsApp, uma dica importante é restringir o acesso a sua foto de perfil apenas para seus contatos, o que é feito nas opções de Privacidade da sua conta.


Além disso, e o mais importante: se em algum momento um conhecido ou parente te procurar pedindo dinheiro emprestado ou ajuda para pagar uma conta, ligue para essa pessoa para ter certeza de que não está falando com um fraudador.

junho 25, 2021

[Segurança] Nossos exames de saúde estão na boca do povo!!!

Desculpem pelo título assustador desse post, mas a possibilidade que o ciber ataque recente ao Grupo Fleury tenha sido causado pelo ransomware REvil, pode resultar no vazamento de dados de saúde dos clientes do laboratório.

Na terça-feira desta semana, 22/06, o portal do Fleury foi colocado fora do ar e suas unidades suspenderam temporariamente o atendimento ao público, pois seus sistemas estavam indisponíveis.



O problema também atingiu a A+ Saúde, que também é do Grupo Fleury.


Até aonde eu sei, o portal Bleeping Computer foi o primeiro a reportar que o ataque foi causado pelo ransonware REvil, e que os criminosos estão exigindo um resgate em bitcoin Monero equivalente a 5 milhões de dólares - e até publicaram uma imagem da tela exigindo o resgate.


Embora oficialmente o grupo Fleury não confirme o caso, no momento em que escrevo esse post, já surgiram informações sobre o ataque na Dark Web, indicando que os ciber criminosos conseguiram roubar 450 GB de dados, incluindo resultados de exames, transações bancárias e dados de e-mail e telefone.


Neste exato momento, 25/06, o site continua mostrando o banner do ataque, com o acesso ao portal de resultados dos exames indisponível, e o atendimento presencial, nos laboratórios, está sendo feito através de contingência.


Nos grupos de WhatsApp da galera de segurança, rolou um documento com o mapeamento do ataque ao Fleury de acordo com o framework Mitre Att&ck:


Segundo esse mapeamento, se for verídico, houve um escaneamento na infra-estrutura do Fleury e nas contas de funcionários, e o ataque se concretizou graças a um Phishing que conseguiu capturar credenciais válidas. Com essas contas, o atacante conseguiu acessar a política de domínio e, através de acesso remoto, conseguiu se mover lateralmente. Os dados foram exfiltrados, posteriormente criptigrafados e os sistemas sequestrados.

A propósito, eu vou aproveitar para elogiar abertamente o sistema de login de clientes no portal do Fleury. Eu acredito que eles conseguiram bolar uma forma criativa, simples e segura de autenticação. Para acessar os resultados dos exames médicos, os clientes tem que fornecer seu CPF e o telefone ou e-mail cadastrado no momento em que realizou o exame. A senha temporária de acesso é enviada via SMS ou e-mail para o contato cadastrado.

Para saber mais:
PS: Post atualizado em 25/06 e 01/07.

[Humor] The Ransomware Song

Os ataques de ransomware estão super na moda e tem atingido empresas de todos os portes e países. Por isso, esse é o melhor momento para relaxarmos com a música do ransomware ("The Ransomware Song (Just Blame Math)"), criada pelo Forrest Brazeal::


A letra está na descrição do vídeo:
One day I asked my teacher, What use is math to me?
She answered: When you're older, some day my boy you'll see...
There's a world of computer systems out there
Full of valuable data and not secured with care
And you can make a fortune in ransomware...

With a little bit of math!
It's called encryption,
Just a little bit of math,
Cause a conniption;
Lock the data, hide the key;
They'll pay up eventually,
It's the power of math.

Ransomware is big now
Because it's organized
You can buy it as a service
And sell it for a prize
There's a whole world of tempting targets to hack -
Governments, hospitals, schools to attack
And they pay up in Bitcoin, hard to trace back;

`Cause it's just math!
We call it crypto!
Just a...actually a whole bunch of math
No need to tiptoe,
Hackers whisper, don't be nervous,
We take pride in customer service... 

Well then I told my teacher, I'm feeling terrified;
How can we protect ourselves from all this cybercrime?
She said, Don't click weird links, or use "password123".
Make offline backups, invest in security.
And that's when I realized how screwed we might be...

Just do the math!
So many systems
If they all took a bath
Wouldn't we miss them?

Next time there's no meat or water or gas
And we slide a little closer to the day of wrath
You can blame IT, or some Russian sociopath
But personally, I blame math.



junho 24, 2021

[Segurança] O golpe da fatura em atraso

O golpe está ai! E esse está bem caprichado, pode enganar muita gente!

Os fraudadores estão enviando e-mails em nome da Claro com uma falsa notificação de que consta uma fatura em aberto. A mensagem vem com um boleto em PDF em anexo, para o cliente realizar o pagamento pendente.


A primeira vista o e-mail parece legítimo, pois tem um design caprichado e sem os tradicionais erros de Português. Ele também apresenta o nome completo do cliente e o endereço de e-mail (relacionamento@minhaclaroresidential.com) foi escolhido de forma a fazer referência a marca da Claro e a central de relacionamento, então pode facilmente enganar as pessoas mais distraídas.


Com tantos detalhes convincentes, a reação é abrir o PDF da segunda via da fatura que veio junto com a mensagem e pagar logo o boleto da fatura pendente.


Nessa hora vem a última pista que pode salvar o cliente desse golpe! É um pequeno detalhe, que provavelmente a maioria das vítimas desconhece e não iria conferir: o início do código de barras indica que esse é um boleto do Bradesco (banco 237), e não é uma conta de consumo, típica das operadoras de telefonia.


De fato, a  melhor dica, nesses casos, é conferir o código de barras! Quando o boleto é fake, ele foi emitido por uma pessoa com conta corrente em algum banco, logo os primeiros números do código de barras é o identificador do banco emissor do boleto (por exemplo, 341 se for um boleto do Itaú, 237 se for do Bradesco, etc). No boleto real da Claro, por ser uma conta de consumo, os primeiros dígitos são um identificador específico da Claro, no caso 846. O mesmo vale para uma conta da Vivo, da TIM, da concessionária de energia elétrica, etc. Cada uma dessas empresas tem um identificador único, diferente dos números associados aos bancos.

Mas, para ser sincero, eu até pensei que eventualmente o boleto poderia ser do Bradesco, caso tivesse sido emitido por uma empresa de cobrança, que poderia ser parceira da Claro. Aí é hora de chamar o VAR... kkkk... Pelo menos no meu caso, o valor da cobrança era diferente do quanto eu costumo pagar mensalmente de fatura pelos serviços da Claro. E, por final, eu conferi que não tinha faturas em aberto junto a operadora.

Minha dica final: Se você recebeu uma cobrança por e-mail, mesmo que pareça legítima, antes de pagar ligue para a empresa através de seus canais oficiais e confirme se tem conta em aberto.

Veja também:

PS: Post atualizado em 12/08/2021.

junho 22, 2021

[Segurança] O golpe do Pix agendado

Um novo golpe está se popularizando, aonde os criminosos usam engenharia social aproveitando que muitas pessoas ainda não estão completamente familiarizadas com o uso do Pix, o novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central.

Os fraudadores aproveitam da funcionalidade de agendar uma transferência via Pix e, assim, enviam um recibo de um pix agendado para a vítima, dizendo que fizeram a transferência por engano. A vítima acredita que o pagamento foi feito e o fraudador pede para ela devolver o valor.

Detalhe: atualmente os bancos não tem obrigatoriedade de notificar o destinatário de um Pix, quando ele for agendado. Por isso, a instituição pagadora (o banco aonde o fraudador agendo a transferência) armazenam as informações da transação (como se, por exemplo, colocassem ela em alguma espécie de fila) e só realizam ela no dia prometido. Então, para aplicar esse golpe, provavelmente os fraudadores enviam diretamente para a vítima apenas o comprovante de agendamento do Pix - e a vítima cai no golpe pois não confere a data de realização da transação e nem verifica o extrato para confirmar que o suposto dinheiro da transação caiu na conta.
 
Vejam por exemplo um relato que está circulando em alguns grupos de whatsapp:
“Ontem lá no trabalho a tarde minha colega recebeu um pix de 250 reais mas estava na opção agendada

Ela ficou sem entender, de quem tinha feito, logo em seguida ela recebeu um zap de uma pessoa desesperada falando que tinha feito um PIX errado e caiu na conta dela,  e se ela podia devolver com urgência pq alguém dela estava esperando esse dinheiro.

Minha colega na hora ficou tão aflita devido o desespero da pessoa que quase transferia, mas ainda bem que estávamos com ela pois tinha um grande detalhe: 
PIX agendado para o dia 15 no caso ia cair hoje 16, então percebemos que isso é um novo golpe, então falamos para ela, para dizer a pessoa que iria devolver mas quando o dinheiro estiver na conta dela, pois ainda estava agendado!

Pois o dinheiro não entrou e a pessoa bloqueou ela”
Para quem é da época de fazer depósitos no caixa eletrônico, já existia um golpe semelhante: o fraudador fazia um depósito em uma conta, mas colocava no caixa eletrônico um envelope vazio. O crédito do valor declarado do suposto depósito aparecia no extrato da vítima, mas como os envelopes só eram abertos no final do dia, somente no dia seguinte a vítima descobria que nenhum depósito foi processado.

Moral da história? Sempre tome muito cuidado se alguém pedir para você devolver um valor transferido para a sua conta. Só faça isso após ter certeza de que realmente recebeu esse dinheiro. Verifique no seu extrato para confirmar o credo em conta e, na dúvida, procure o seu banco.

Atualização (28/06): Segundo o Banco Central, essa descrição não passa de boato porque esse formato de golpe não pode ser executado. O recebedor de um Pix agendado só recebe a notificação quando o dinheiro cai na conta, não no momento do agendamento.

junho 21, 2021

[Segurança] Top Women in Cybersecurity Latin America 2021

Após receber mais de 200 indicações, na sexta-feira 18 de junho a Womcy (Latam Women for Cybersecurity), em parceria com a Women in Security & Resilience Alliance (WISECRA), anunciou os nomes das 50 mulheres que foram eleitas como "'Top Women in Cybersecurity Latin America 2021". Este é o segundo ano do concurso, que elege as mulheres mais influentes no mercado de segurança da América Latina.


A seleção das candidatas foi baseado em 5 critérios:
  1. Ter atingido um alto nível de conquista, conforme determinado por padrões nacionais ou internacionais;
  2. Promovido uma causa social ou humanitária com impacto regional ou nacional, em um papel de liderança;
  3. Conseguido reconhecimento como especialista ou líder em um domínio específico dentro da cibersegurança;
  4. Surgido como pioneira em um setor novo ou não tradicional (inclusive como a primeira em um campo específico);
  5. Contribuído de maneira significativa para eventos na região da América Latina.
Das 50 mulheres eleitas, 12 delas são brasileiras \o/


Veja o anúncio de todas as vencedoras nesses vídeos: grupo 1, grupo 2 e grupo 3.

Devido a falta de profissionais do sexo feminino no mercado de segurança e a cultura machista desse mercado, a participação feminina é muito baixa. Por isso mesmo, é extremamente importante que as mulheres interessadas em trabalhar nessa área identifiquem profissionais que possam servir como referência e exemplo de sucesso na carreira.

Embora seja, minoria, as mulheres tem presença marcante no mercado de tecnologia e no de segurança, e muitas delas conseguem atingir um merecido destaque na carreira. Felizmente, o mercado de trabalho e as empresas também estão amadurecendo e valorizando a diversidade, e com isso a participação feminina no trabalho, nos postos de liderança e até mesmo nos eventos tem crescido consideravelmente.


junho 18, 2021

[Humor] Expressões de TI em português

O pessoal do Grego Dictionary fez um post legal recentemente, com as expressões de TI traduzidas para o português do Brasil:



junho 15, 2021

[Segurança] Roubo de celulares e fraude bancária

Neste Domingo, 13/06, o jornal Folha de São Paulo publicou uma reportagem sobre um golpe que tem ocorrido com muita frequência atualmente (e há pelo menos um o 2 anos): o roubo de aparelhos celulares seguido pelo acesso as contas bancárias para roubo do dinheiro.

Segundo a reportagem, em São Paulo existem diversas quadrilhas especializadas em furtar os aparelhos celulares com o propósito específico de acessar os aplicativos bancários para subtração de valores das contas das vítimas. O principal alvo dos criminosos são os aparelhos que já estão desbloqueados pelos próprios usuários - e isso é super fácil de conseguir hoje em dia: com as pessoas que andam na rua distraídas usando o seu celular ou com os motoristas parados no trânsito, usando o Waze (basta um motoqueiro passar de lado, enfiar a mão pela janela e quando você percebe, seu celular já foi embora - desbloqueado).


O roubo de celulares é super frequente: na cidade de São Paulo, aonde são roubados pelo menos 527 celulares por dia (ou seja, um celular a cada 3 minutos). Segundo um levantamento do TecMundo, a Polícia Civil de São Paulo devolveu 1.907 celulares roubados aos seus donos no 1° semestre de 2021. Em 2020, o portal Mobile Time estimou que 102,4 milhões de celulares já haviam sido furtados ou roubados (com base em 2 mil pessoas entrevistadas).


Mas, nesse caso, estamos falando de quadrilhas especializadas em roubar celulares, preferencialmente desbloqueados, com o objetivo específico de acessar a conta bancária da vítima e transferir todo o dinheiro dela pelo app do banco. Os criminosos também se aproveitam da agilidade do Pix para transferir todo o saldo da conta da vítima e pulverizar em vários contas em nome de laranja. Se possível, o criminoso ainda pede empréstimo pelo app para conseguir roubar mais dinheiro ainda! Mesmo com as proteções de bloqueio do celular e o uso de biometria e senhas no app dos bancos, esse golpe está muito frequente, e assusta suas vítimas.

Ainda segundo a reportagem da Folha, os bancos não têm ressarcido as vítimas quando a fraude ocorre com o uso da senha pessoal, argumentando que ouve falha do cliente: "a obrigação dos clientes é guardar a senha. Se vazou, é porque a pessoa foi displicente na guarda".

Com o acesso ao celular, os criminosos também podem aproveitar que alguns apps de e-commerce mantém os dados de cartões salvos e não pedem senha de acesso, incluindo apps de delivery. Com isso, eles realizam diversas compras em nome da vítima.

Olha essa frase "matadora" reproduzida pela reportagem da Folha: "Isso está sendo feito por meio de um exército de hackers".

Na verdade, o golpe costuma ser muito mais simples, baseado na boa e velha engenharia social, combinada com péssimos hábitos de segurança da maioria da população. Os criminosos buscam uma forma de descobrir a senha do aparelho e do banco, e assim, conseguem concretizar a fraude. Em muitos casos, a senha é fácil de ser adivinhada ou está anotada no aparelho.

Com o celular roubado em mãos, se ele estiver desbloqueado os criminosos podem aproveitar para alterar a configuração de descanso de tela, para que ele não bloqueie por tempo de inatividade. Caso contrário, se o celular estiver bloqueado, os criminosos tentarão descobrir a senha de desbloqueio do aparelho.

E como eles conseguem descobrir as senhas das vítimas e realizar as transferências bancárias? Os bancos e a polícia são unânimes em apontar más práticas dos usuários nos cuidados básicos de segurança, que são explorados facilmente pelos criminosos, além da facilidade de explorar os recursos de recuperar senhas.
  • Uso de senhas fáceis: Esse é o principal problema. Afinal, as senhas de desbloqueio de celular e do app bancário costumam ser senhas numéricas curtas, de 4 ou 6 números. Junte a isso o fato de que a grande maioria das pessoas usa senhas fáceis de serem adivinhadas, como datas comemorativas (data de nascimento) e sequencias numéricas triviais (como 1234, 0000, etc). Além disso, é muito comum o reuso da senha: a mesma senha sendo utilizada em sites e aplicativos diferentes. E isso acontece também com a senha do banco: muitas pessoas usam a mesma senha em vários bancos diferentes, e se bobear, ainda vão usar essa mesma senha para desbloquear o celular. Dessa forma, se o criminoso descobrir uma única senha da vítima, conseguem ter acesso a muita coisa em seu aparelho;
  • Anotar a senha no aparelho celular: É comum que os usuários acabem armazenando suas senhas no próprio aparelho, anotadas em um bloco de notas, salvas no navegador ou até mesmo compartilhando suas senhas em mensagens instantâneas, no Whatsapp. Por isso, os criminosos usam o recurso de busca no aparelho para procurar por senhas. Para piorar, quando a pessoa usa uma data de nascimento como senha, o criminoso consegue descobrir a data olhando nos apps com documentos de identificação, como a carteira de motorista digital;
  • Recuperação da senha: Se o criminoso tiver dificuldade de adivinhar a senha, ele tenta recuperá-la, um recurso que pode ser facilmente explorado pelos fraudadores com acesso ao aparelho - afinal, a senha nova provavelmente será enviada por SMS ou e-mail, que o criminoso conseguirá visualizar no celular da vítima. Se o celular estiver desbloqueado, ele pode acessar seus e-mails (pois normalmente os apps ficam acessíveis sem senha) para pedir o reset das senhas de apps e serviços que você utiliza, que normalmente vão para o e-mail cadastrado (aquele que já está aberto no seu celular, lembra?). Se o reset de senha for por SMS e o celular estiver bloqueado. não tem problema: o criminoso simplesmente coloca o chip SIM em outro aparelho, dele mesmo, e acessa os sites e apps para pedir a recuperação da senha. Nesse caso, o SMS usado para recuperar a senha vai para o celular do criminoso. O envio de senhas por SMS é um recurso de 2o fator de autenticação muito popular, e nessa hora ele mostra sua fragilidade :(
  • Phishing para roubar a senha do celular: É comum que as vítimas, após terem seu celular roubado, comecem a receber mensagens de phishing simulando os alertas de que o celular foi encontrado. Esse golpe é muito usado para roubar a senha do iCloud ou Google Play, como por exemplo no recurso "Find my iPhone", da Apple. Ao acessar o link da mensagem, a vítima cai em um site falso e fornece sua senha para o criminoso;
  • É muito fácil burlar a biometria do seu aparelho celular: Para ser sincero, a biometria do seu aparelho é uma facilidade de uso, uma conveniência ou um "fru-fru", se preferir chamar assim. Ela não é um recurso de segurança, já que pode ser facilmente burlada. Isso porque, após algumas tentativas de leitura da sua digital ou face sem êxito, o aparelho pede a sua senha numérica. Se o criminoso descobre a senha do aparelho, ele consegue burlar a validação biométrica e, até mesmo, cadastrar a biometria dele no seu aparelho! E, pior ainda: a biometria do celular dá uma falsa sensação de segurança, pois o usuário acredita que seu app está protegido por biometria, quando na verdade esse recurso pode ser burlado facilmente.
Além disso, também existem especulações de que os criminosos possam ter acesso a alguma ferramenta ou técnica de jailbreak, ou explorar alguma vulnerabilidade para conseguir o acesso a aparelhos bloqueados - mas não há evidências sobre isso. Pelo contrário, os bancos e policiais que investigam esse crime são unânimes em apontar a fragilidade nas senhas. Eu também sou partidário da explicação mais simples: os criminosos tem uma pilha enorme de celulares roubados, e se não conseguirem descobrir a senha, simplesmente deixam o celular de lado e partem para o próximo aparelho na pilha.

O Procon-SP tomou as dores e questionou os bancos, a Febraban, as operadoras de telefonia e as fabricantes de celulares. Como resposta, ouviu que os aplicativos dos bancos oferecem os níveis necessários de segurança, mas os golpes acontecem por descuidos dos próprios clientes. Como resultado preliminar dessas conversas, o Procon teve a idéia de criar uma espécie de "central" para facilitar e agilizar o bloqueio de celulares roubados. A idéia deles é permitir que a vítima bloqueie seu aparelho, sua linha e suas contas bancárias rapidamente, logo após o roubo. A idéia parece boa, mas se não for feita com cuidado, alguém mal intencionado poderia solicitar o bloqueio da conta de outras pessoas.

Atualização em 07/07: Finalmente caiu a ficha da imprensa e eles perceberam que a fraude acontece porque os criminosos conseguem descobrir as senhas. A própria Folha de São Paulo publicou uma reportagem com o depoimento de um criminoso, que explica como consegue desbloquear os celulares - sem mágica, com pura engenharia social:
"(...) para conseguir o desbloqueio dos aparelhos, ele [o criminoso] retirava o chip do aparelho furtado e inseria-o em um outro aparelho desbloqueado. Na sequência, passava a fazer pesquisas nas redes sociais (especialmente Facebook e Instagram) para saber qual conta estava vinculado àquele número de linha. Na sequência, passava a procurar o endereço de email que a vítima utilizava para fazer o backup do conteúdo do aparelho, especialmente em nuvens a iCloud e Google Drive, procurado primeiro pelas extensões @gmail.com. Ao baixar as informações da nuvem no novo aparelho, passa a procurar ali informações ligadas a palavra “senha” e, segundo dele, obtém geralmente os números e acesso do celular e das contas bancárias. Ao obter essa informação, devolve o chip ao telefone celular da vítima e, com as senhas em mãos, repassa o aparelho para membro da quadrilha responsável pelo acesso às contas e transferência de tudo o que conseguir para contas bancárias de laranjas."
Outro detalhe interessante, exposto na reportagem da Folha: Quando conseguem roubar um aparelho celular desbloqueado, os criminosos acionam a câmera para impedir o travamento automático da tela. Em seguida, eles acionam o modo avião, para evitar o rastreamento.


Como evitar esse golpe?
  • Evite andar na rua usando o celular. Jamais use em vias públicas. Quando estiver andando, deixe ele guardado e só use em lugares seguros. Se estiver no carro, deixe o aparelho em um local mais escondido, longe da vista de quem está de fora do carro, ou no centro do painel;
  • Tenha dois celulares, um para o uso no dia-a-dia e outro só para uso com apps bancários e de compras online. Deixe o celular com apps bancários em casa e desinstale os aplicativos bancários do seu celular principal, de uso diário (com suas redes sociais, mapas, apps de comunicação etc);
  • Abra uma conta corrente em um outro banco, que vai ser a "conta do ladrão". Você pode optar, por exemplo, por um banco sem tarifas, e deixe nessa conta um pequeno saldo, com dinheiro suficiente para gastos emergenciais do dia-a-dia;
  • Cuide com carinho das suas senhas. Use senhas fortes, difíceis de serem adivinhadas, e não use a mesma senha em sites e apps diferentes;
  • Tenha cuidado redobrado com as senhas bancárias. Não use combinações numéricas óbvias (como datas e sequencias numéricas), use senhas diferentes para o cartão e para o app (nem senhas parecidas) e, se tiver conta em mais de um banco, use uma senha para cada, não reuse suas senhas bancárias!
  • Não anote suas senhas, nem compartilhe com outras pessoas. Não anote em blocos de notas, nem salve em apps. Se precisar compartilhar uma senha via WhatsApp, apague ela após a outra pessoa visualizar, assim pelo menos ela não aparece no seu histórico de conversas;
  • Não salve senha em navegadores e sites, através do nefasto recurso de "lembrar/salvar senha". Apesar da facilidade, qualquer pessoa com acesso ao aparelho consegue visualizar essas senhas salvas;
  • Não guarde fotos de documentos pessoais no seu celular, como carteira de identidade, CNH e nem mesmo fotos de seus cartões de crédito;
  • Coloque senha no seu chip SIM, para que ele não possa ser utilizado em outro aparelho e evitar que os criminosos consigam recuperar suas senhas;
  • Evite armazenar dados pessoais em seu celular, pois eles podem ser utilizados para descobrir suas senhas (nem deveria, né?) e também para obter mais informações sobre a vítima (você);
  • Habilte a opção de bloqueio de tela do celular, e sempre que possível deixe na configuração para bloqueio automático de forma rápida (por exemplo, 30 segundos) e com uso de senha alfanumérica;
  • Desabilite a notificação de mensagens no celular quando ele estiver com tela bloqueada. Assim o criminoso não consegue enviar SMS de recuperação de senha mesmo com seu celular bloqueado;
  • Verifique e diminua seus limites para transferência. Vários bancos permitem que você altere os seus limites diários de transferência bancária e via Pix. Se possível, diminua esses limites para valores bem baixos;
  • Se tiver o seu aparelho roubado:
    • Avise o seu banco imediatamente assim que tiver o seu celular roubado e peça para ele desabilitar o acesso na sua conta a partir do aparelho roubado;
    • Apague os dados do seu aparelho, remotamente (esse recurso existe para Android e iPhone);
    • Avise sua operadora e peça para bloquear sua linha e o IMEI do aparelho;
    • Faça um B.O. online ou na delegacia mais próxima.
Para saber mais:
PS: Post atualizado em 18, 19, 21, 22, 23, 29 e 30/06 e em 01 e 07/07. Atualizado em 21/10/2021.

junho 14, 2021

[Segurança] Olha o golpe do falso investidor

Uma reportagem recente do portal 6 Minutos falou sobre o caso que aconteceu com o influenciador financeiro Murilo Duarte, dono do canal Favelado Investidor: um fraudador entrou em contato com seus seguidores oferecendo para investir dinheiro para eles.

O fraudador, inicialmente, criou um perfil fake no YouTube para se passar pelo dono do canal, usando o mesmo nome e mesma foto do perfil real. Com essa conta, o fraudador passou a comentar os vídeos do canal e entrava em contato direto com os demais usuários, passando um número de WhatsApp aonde ela pedia para transferir dinheiro que ele (o fraudador) iria realizar investimentos para ela.

Para evitar esse golpe, a primeira coisa é sempre desconfiar. Desconfie de promessas de ganho de dinheiro fácil. Ao ser contactado por alguém, tente verificar se é a pessoa real, se o perfil não é fake. 

PS: Eu procurei alguma informação sobre esse golpe no perfil do Favelado Investidor no Twitter e no seu canal do YouTube, mas não encontrei. Mas, na minha busca, achei essa notícia de janeiro do ano passado em que um perfil falso no Instagram, em nome do Mercado Bitcoin, tentava aplicar golpes nos clientes da empresa, oferecendo lucros de 30% para depósitos em Bitcoin. Achei interessante citar isso para lembrar que esses golpes não são novidade.

junho 10, 2021

[Segurança] O maior vazamento de senhas que nunca vazaram

A imprensa correu para anunciar e repercutir aquele que foi considerado o maior vazamento de senhas de toda a história: cerca de...

8,4 bilhões de senhas

... que foram expostas em um arquivo com 100GB que foi publicado em um fórum online, com o nome de 'RockYou2021. Isso é quase o dobro de senhas do que a população do planeta!


Segundo a CyberNews, o arquivo é simplesmente o compilado de senhas obtidas de diversos vazamentos pré-existentes, fato confirmado pelo Troy Hunt. O Troy Hunt, que é o responsável pelo excelente site Have I Been Pwned, foi além: segundo ele, além de senhas de vazamentos anteriores, essa coletânea também é inflada por alguns conjuntos de palavras ("dicionários") pré-existentes, incluindo todas as palavras da Wikipedia e de livros disponíveis online no projeto Gutemberg. Ou seja, muitas informações nesse arquivo nem ao menos são senhas reais.

Além disso, vale destacar que esse arquivo é apenas uma grande (gigante!) coletânea de senhas, sem usuários associados a elas. Isso diminui muito o seu potencial ofensivo.


[Segurança] Sequestraram a picanha (ou seja, a JBS sofreu ataque de ransomware)

Malditos hackers! Não perdoam nem a nossa picanha do dia-a-dia!

Depois da Colonial Pipeline, os ataques de ransomware fizeram mais uma vítima famosa e ganharam mais destaque na empresa: a filial americana da JBS foi invadida por ransomware.

Eu não vou fazer uma cobertura tão detalhada aqui no blog como fiz no caso da Colonial Pipeline, mas acho importante registrar pois esses dois casos tem levantado muito a discussão sobre (1) os ataques de ransomware a empresas relacionadas a infra-estrutura crítica dos países (no caso, combustíveis e alimentação, respectivamente) e (2) se as empresas devem pagar o resgate para recuperar seus sistemas.

No dia 30 de maio a JBS na Austrália e nos EUA sofreram um ataque de ransomware e ficaram alguns dias fora de operação. Segundo o FBI, a empresa foi vítima do ransomware REvil, desenvolvido por ciber criminosos russos e que está em operação desde abril de 2019. A JBS disse que decidiu pagar o resgate de aproximadamente 11 milhões de dólares (em bitcoins) para evitar que seus dados fossem vazados, mesmo após ter conseguido recuperar seus sistemas.



A JBS do Brasil anunciou que sua operação local não foi afetada pelo ciber ataque.

Para colocar mais lenha na fogueira, segundo funcionários da empresa, entre 2017 e 2018 a JBS contratou uma auditoria que idenftificou a necessidade de investir em ferramentas de segurança. Os executivos da JBS teriam considerado tecnologia de monitoramento muito cara e se recusaram a comprá-la. Segundo relatos, a segurança cibernética era tratada como uma questão “secundária” e os executivos estavam focados no corte de custos.

Mas, sinceramente, o que eu vejo no mercado desde sempre é que tirando os bancos, empresas de telecom e algumas empresas de tecnologia, quase ninguém mais investe ou sequer se preocupa com segurança. Com a JBS, uma empresa do setor de alimentação, não seria diferente :(

O caso da JBS levanta uma preocupação sobre um aspecto relevante na discussão sobre o pagamento, ou não, dos resgates de ransomware: a necessidade de garantir que os dados exfiltrados durante o ataque não sejam divulgados. Recentemente, o hospital Sturdy Memorial Hospital, em Massachusetts (EUA), optou por pagar o resgate exigido pelos ciber criminosos apesar de ter recuperado seus sistemas imediatamente após um ataque de ransomware. Isso porque eles queriam garantir que os dados exfiltrados fossem destruídos, incluindo dados de pacientes.


Esses ciberataques recentes de ransomware contra grandes empresas tem atraído grande atenção da imprensa e do governo americano. O governo dos EUA já fala em endurecer as penas e igualar os ataques de ransomware ao crime de terrorismo. Além disso, como todos os ataques recentes partiram de grupos criminosos russos, isso afetou o relacionamento dos EUA com a Rússia e promete colocar o Joe Biden frente a frente com o Vladmir Putin.

Outras vítimas famosas e recentes de ransomware incluem a Bose e a Toshiba.

Para saber mais:

junho 09, 2021

[Segurança] Fraudes nos pagamentos online

Segundo estimativa apresentada em um estudo da consultoria Juniper Research, o comércio eletrônico global pode perder até US$ 20 bilhões (cerca de mais de R$ 100 bilhões) com fraudes em 2021. Este valor representa um aumento de 18% comparado com os US$ 17,5 bilhões registrados em 2020.


O estudo destacou o impacto da pandemia. Normalmente sempre lembramos que muitos clientes começaram a usar o e-commerce pela primeira vez, e assim foram vítimas fáceis para esquemas de fraude online. Mas o estudo da Juniper Research também destacou que as empresas também tiveram que se adaptar para o e-commerce repentinamente, e muitas não estavam preparadas para enfrentar os cenários de fraude online.

Outro destaque é que o grande número de vazamento de dados facilita o roubo de identidade e a criação de cadastros falsos.

Para saber mais:

junho 08, 2021

[Segurança] Template de relatório de resposta a incidentes

O site The Hacker News disponibilizou um template criado pela Cynet para relatórios de resposta a incidente, batizado por eles humildemente de "the Definitive 'Incident Response for Management' Presentation Template". Eles disponibilizaram esse template para download, em formato de apresentação do Power Point.

O material é uma boa referência para quem não tem um relatório padrão para documentar os incidentes de segurança ou para quem está disposto a revisar seu relatório atual, com novas idéias.

O template tem páginas específicas para documentar, de forma concisa e objetiva, os diversos estágios do processo de resposta a incidentes:
  • Identificação do ataque, como ele foi detectado e risco potencial;
  • Contenção da causa raiz do ataque, o escopo (ativos que foram comprometidos), ações realizadas e status;
  • Erradicação do ataque na infraestrutura da empresa, indicando inclusive a extensão de seu sucesso;
  • Recuperação pós-incidente, identificando os ativos afetados e quais deles já foram restaurados;
  • Lições aprendidas, incluindo uma linha do tempo do ataque e ações de resposta.

Todas as páginas seguem um design semelhante, aonde as informações estão estruturadas em pequenas tabelas, com os espaços em branco referentes aos dados que devem ser preenchidos.

Para saber mais:

junho 02, 2021

[Segurança] Principais notícias de segurança em Maio de 2021

Vou começar uma série de posts, uma vez por mês, com uma lista das principais notícias de segurança que aconteceram no mês anterior. A proposta é focar em notícias relacionadas, principalmente, ameaças, a fraudes e golpes direcionadas a usuários finais brasileiros. Algumas, que eu acho mais relevantes, estão acompanhadas por um breve resumo.

Hä muitas notícias pipocando no mercado, o tempo todo, e vários portais muito bons, como o The Hacker News, o TechTarget, o Securelist, e aqui no Brasil o The Hack e o Mente Binária, só para citar alguns.

A minha proposta aqui é intercalar essas notícias com os vídeos da excelente série 0 News, do Carlos Cabral no Mente Binária - estes estão focados nas principais notícias relacionadas a vulnerabilidades e ameaças globais da semana anterior, e acabam se complementando a minha lista.

Vamos lá...




Apple corrige falha que permitia violar três camadas de segurança no macOS. Vulnerabilidade no SonicWall está em exploração ativa, afirma a FireEye. Tribunal de Justiça do RS é alvo do ransomware REvil. Microsoft encontra série de vulnerabilidades em dispositivos OT e IoT. Malware para Linux é descoberto após três anos de execução furtiva. Falha no Cellebrite gera pedido por novo julgamento em tribunal dos EUA.


Considerada uma prática regular no mercado, um estudo identificou que a contratação de um número telefônico que estava em uso anteriormente por outras pessoas traz riscos de segurança e privacidade, como processos de autenticação ainda ativos e associados ao número telefônico. Cerca de 66% dos números analisados ainda estavam associados a contas de usuários dos antigos donos em sites populares.

06/05/2021 - Atendente Impostor: estudo da Tempest mostra que golpe virtual vêm aumentando e pode ser ainda mais explorado no período do Dias das Mães (Tempest)

06/05/2021 - Aplicativos móveis populares vazam chaves da AWS, expondo dados de usuários (em inglês) (Tech Target)

06/05/2021 - Vacinação contra coronavírus é alvo de cibercriminosos (Kaspersky)

06/05/2021 - Autoridade Nacional de Proteção de Dados completa 6 meses de existência em crescente interlocução com a sociedade (ANPD)

06/05/2021 - Google lança nova seção sobre transparência e privacidade de aplicativos (Mente Binária)
Pesquisadores encontraram mais de 29.000 bancos de dados desprotegidos em todo o mundo que ainda são acessíveis ao público, deixando cerca de 19.000 terabytes de dados expostos a qualquer pessoa, incluindo ciber criminosos.
A Trend Micro identificou no início de abril um novo código malicioso, do tipo ladrão de informações ("information stealer") chamado Panda Stealer, especializado em roubar dados de carteiras de criptomoedas. O malware é distribuído por meio de e-mails de spam, que normalmente se apresentam como solicitações de orçamento comercial para atrair as vítimas e convencê-las a abrir arquivos Excel maliciosos.
Um dos maiores oleodutos dos Estados Unidos foi fechado após sua operadora, Colonial Pipeline, sofrer um ataque de ransomware. A empresa foi forçada a fechar 5.500 milhas de oleoduto, que transporta 45% do abastecimento de combustível da costa leste e viaja por 14 estados do sul e leste dos EUA. A empresa pagou resgate de US$ 5 milhões para retomar o acesso a seus dados e sistemas.

10/05/2021 - Cliente que teve conta bancária hackeada 2x será indenizado (Migalhas)

10/05/2021 - Plenado (do Equador) aprova proposta de lei de proteção de dados pessoais (Asamblea Nacional do Ecuador)

10/05/2021 - Desvendada rede de 200.000 pessoas que publicavam resenhas falsas na Amazon em troca de produtos grátis (el País)

A ViaQuatro, empresa responsável pela Linha 4–Amarela do Metrô de São Paulo, foi condenada a pagar R$ 100 mil por coletar e analisar, sem autorização, áudio e vídeo de milhões de usuários que utilizam o serviço de transporte da empresa diariamente.

Um pesquisador belga descobriu novas vulnerabilidades no sistema de internet sem fio, incluindo algumas presentes em praticamente todos os dispositivos de Wi-Fi do mundo desde 1997. Segundo Mathy Vanhoef, as 12 falhas, que ficaram conhecidas como Frag Attacks, podem ser exploradas para roubar dados e ainda controlar dispositivos domésticos e computadores.

12/05/2021 - 34 grupos de ransomware vazam na dark web dados roubados (CISO Advisor)

Investigação revela que 34 gangues de ransomware vazaram os dados de 2.155 empresas na dark web.

12/05/2021 - Mulher 'dá golpe em golpista' no WhatsApp e repercute na internet (TecMundo)

12/05/2021 - Ataques de ransomware direcionados crescem 700% (Kaspersky)

O ransomware tornou-se um grande desafio para as organizações. As campanhas massivas de infecção passaram a visar empresas e órgãos públicos selecionados na intenção de obter chance maior de sucesso. A quantidade de empresas que sofreram tentativas de ataques direcionados de ransomware aumentou 767% entre 2019 e 2020. Quanto maior o tamanho da empresa, mais frequente é a tentativa de ataque, já que esta operação é sofisticada e pede resgate maior.
Em uma nova modalidade de golpe do WhatsApp, criminosos tentam burlar a autenticação de dois fatores ligando para a vítima e, fazendo se passar pelo suporte do WhatsApp, diz que a empresa identificou uma atividade maliciosa na conta e enviam e-mail para a vítima acessar solicitando o recadastro da dupla autenticação. A mensagem, na verdade, explora o processo de reset da autenticação do WhatsApp e acaba por desabilitar a proteção.

Segundo um levantamento da empresa Censys, foram identificados dois milhões de banco de dados expostos nos provedores de nuvem mais comuns, além de 1,9 milhão de servidores com conexões RDP, protocolo responsável por 70 a 80% das violações de rede.

Os operadores do DarkSide, o ransomware-as-a-service (RaaS) que atingiu a Colonial Pipeline, já iniciaram sua fuga das autoridades norte americanas. Vários outros operadores de ransomware e de fóruns de crimes cibernéticos também desligaram sua infraestrutura, alteraram regras de participação ou estão abandonando o ransomware completamente devido à grande quantidade de atenção direcionada ao assunto.
Incidente na Colonial Pipeline pode ter virado o jogo no mercado de Ransomware. Dois ataques diferentes afetam os Apple AirTags. Múltiplas vulnerabilidades são encontradas em padrão de Wi-Fi. 27% dos nós de saída da rede Tor estiveram nas mãos de atacantes …e, com tudo isso, ainda teve Patch Tuesday.
Os especialistas da Kaspersky encontraram um novo trojan brasileiro responsável por roubar dinheiro das contas de internet banking de consumidores da Europa e América do Sul. Batizado de Bizarro, o malware financeiro monitora senhas de 70 bancos diferentes no Brasil, Argentina, Alemanha, Chile, Espanha, França, Itália e Portugal. O trojan chega às vítimas por meio de mensagens de spam que direcionam para a instalação do programa malicioso (um pacote Microsoft Installer). Uma vez executado, ele realiza um novo download para baixar um arquivo com o malware, que começa a capturar imagens da tela para roubar as senhas bancárias e também monitora o uso de carteiras online de criptomoedas, como o Bitcoin. 

A Claro S.A foi condenada a indenizar dois consumidores, o titular e o usuário de uma linha telefônica móvel, por falha na prestação do serviço que permitiu a clonagem do número telefônico, que havia sido transferido indevidamente para outro chip, seguido pelo envio de mensagens no WhatsApp para fraude bancária.
A Polícia Civil do Maranhão anunciou a prisão de um integrante da organização criminosa que causou um prejuízo de quase R$ 13 milhões ao banco Nubank, em várias regiões do Brasil. A prisão do líder da quadrilha, considerado foragido da justiça, faz parte do desdobramento da 2ª fase da operação 'Ostentação' que foi deflagrada em dezembro de 2020.
Depois de examinar 23 aplicativos Android, pesquisadores da Check Point Research (CPR) descobriram que informações confidenciais estavam disponíveis publicamente em bancos de dados em serviços em nuvem de 13 aplicativos. Os dados pessoais de mais de 100 milhões de usuários foram expostos, incluindo e-mails, mensagens de bate-papo, localização, senhas e fotos.

22/05/2021 - FBI alerta que o Ransomware Conti já atingiu 16 serviços de saúde e emergência nos EUA (em inglês) (The Hacker News)


Suposto takedown do Darkside pode ter sido um exit scam. Criminosos levam 5 minutos para encontrar servidores vulneráveis após publicação de falha. Malware brasileiro expande sua operação para outros países. Finalmente surgiram mais detalhes sobre o ataque à RSA de 2011. Sentimentos são vitais para braços robóticos, afirma estudo.


Três pessoas envolvidas em golpes de estelionato cometidos através de site de compra e venda pela internet foram presas fruto de investigações da Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Informáticos da Polícia Civil de Mato Grosso, para apurar uma ocorrência de estelionato com vítimas da cidade de Goianápolis (GO). No golpe conhecido como “intermediador de vendas”, o suspeito copia um anúncio já existente no site de compra e venda pela internet, e se faz passar pelo vendedor para a pessoa interessada na compra, ao mesmo tempo que se passa pelo comprador para a vítima interessada na venda. Na ocasião, o golpista o utilizou um anúncio de venda de gado para enganar as vítimas, conseguindo subtrair do comprador o valor de R$ 144 mil, através da venda fraudulenta de 63 cabeças de gado. Após o pagamento, os criminosos diluíram valores para diversas contas bancárias.
Cibercriminosos estão aproveitando a retomada da obrigatoriedade da prova de vida, anunciada pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em 12 de maio, para aplicar golpes através de mensagens de e-mail falsas (phishing) e ligações para o beneficiário se passando pelo atendimento do INSS, dizendo que 'sua prova de vida foi recusada', com o objetivo de direcioná-lo para algum site ou aplicativo malicioso.
A Bose, fabricante americana de fones e equipamentos de som, foi infectada por ransomware e os cibercriminosos conseguiram roubar dados do departamento de Recursos Humanos da empresa. A empresa não revelou o valor exigido pelo resgate nem quem são os responsáveis pelo ciberataque.
Com base na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) manteve a suspensão da comercialização de dados pessoais de milhões de consumidores pela Serasa Experian, por meio dos serviços “Lista Online” e “Prospecção de Clientes”. A Serasa Experian vendia, pelo preço de R$ 0,98 por pessoa cadastrada, informações pessoais como nome, endereço, CPF, números de telefones, localização, perfil financeiro, poder aquisitivo e classe social, para fins de publicidade e para empresas interessadas em captação de novos clientes. Estima-se que a Serasa venda dados pessoais de mais de 150 milhões de brasileiros.
Investigadores da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos da Polícia Civil do Distrito Federal (DRRC/PCDF) deflagraram a operação Driver contra uma associação criminosa especializada em fazer transações bancárias fraudulentas contra idosos no DF. O grupo acessava a conta bancária da vítima e fazia diversas transações bancárias, ocasião em que transferiam o dinheiro para outra conta e, posteriormente, sacavam o valor ou simulavam compras.
Segundo pesquisa realizada pela empresa NordPass, que analisou dados de violações públicas que afetaram empresas da Fortune 500, o maior facilitador dessas invasões é o uso de senhas fracas. Os pesquisadores apontam que 20% das senhas eram o nome exato da empresa ou sua variação. “Password” também é uma das senhas mais populares, além do uso de números sequenciais, como "123456".

Reportagem especial do Fantástico mostra os números alarmantes do aumento de golpes durante a pandemia. Um levantamento revela que só no ano passado, foram feitos mais de 862 mil boletins de ocorrência sobre este assunto - um aumento de 66% em relação a 2019.


Creative Commons License
Disclaimer: The views expressed on this blog are my own and do not necessarily reflect the views of my employee.